Rewind

domingo, 16 de outubro de 2016

Mãe,

talvez, Mãe, o tempo se atrase um pouco 
e possamos, os dois, dançar na luz do que te digo, 
tu, como uma praia que me espera
e eu, como a maré que se enche para te chegar

talvez, Mãe, eu chegue mesmo antes de ser noite
e possamos, os dois, retomar o fôlego silencioso do amor
tu, fumando nos lábios o infinito quente do poente
e eu, dormindo inteiro na soleira do teu colo meigo

talvez, Mãe, ninguém nos ouça 
e possamos, afinal, inventar os dois uma língua do princípio
tu, com as sílabas imensas do perdão 
e eu, com a métrica irrequieta da saudade

talvez, Mãe, o tempo se atrase um pouco 
e o fim não comece nunca
talvez, Mãe, a maré durma na praia nessa noite


de manhã, a luz demora-se.
na praia, 
o mar conta um segredo devagar. 

RM| XVI-X-MMXVI 

  
Enviar um comentário