Rewind

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

sozinha|

Sozinha enquanto fumas lenta
A mente e cansado o corpo
Há no fundo dos meus olhos que te fixam
Um rumor de veias que se expande.

Sozinha enquanto fumas e te abandonas
Há nas tuas costas um lume que te envolve
Como seda fina que revela
Como um caminho suave que devolve

Sozinha enquanto fumas e contemplas
E tudo se suspende e se adia
Há por nascer uma Primavera de flores imensas
E sombras por varrer da luz do dia

Sozinha enquanto fumas e te vejo
São meus braços quem fala e te acolhe
Quem chama e protesta e escolhe

Sozinha enquanto fumas e me olhas
Pede o meu corpo inteiro que me escolhas
E que tudo se atrase, se demore e se deleite
Numa hora de esperança tão perfeita.

RM

Enviar um comentário