Rewind

domingo, 11 de maio de 2014

são horas de voltares,

são horas de voltares, Avô
é tempo de vires para dentro do nome das coisas
e já não ser absurdo chamá-las
já não doer o granito escuro das paredes da tua ausência

são horas de voltares, Avô
não tarda é tempo de luz na romaria
as janelas da casa vão estar abertas
entra
que o olhar ainda se demora na promessa das portas que se abrem

são horas de voltares, Avô
a tua voz a chegar morna do jardim que te viu crescer
na estrada o rumor de gente que vem feliz
e os teus olhos presos no horizonte de todos os encontros

são horas de voltares, Avô
os retratos não chegam nem os postais nem sequer a saudade chega mais, Avô
volta que é tempo de romaria
as janelas estão abertas como promessas ardendo na luz

entra e diz que vais demorar
entra e diz que vai ficar tudo bem 

entra e fecha a porta que o tempo não mais fechou

e deixa que meu coração descanse na ilusão da eternidade de todos os regressos.

RM
Enviar um comentário