Rewind

terça-feira, 27 de agosto de 2013

contigo|

Eis que o dia escorrega lentamente
E teus olhos são, de súbito, irmãos da noite que já dorme
Eis que o mundo se esquece finalmente
E meu medo dentro de ti inteiro some

Eis que o tempo se verga quando passas
E as horas em cinzas esvoaçam
Se em teus braços, acaso, tu me abraças
Não vou mais nas sombras que, ao longe, passam

Eis que a pele das coisas se ilumina
E tua boca, de súbito, me gasta nos lábios a saudade
Eis que a valsa do desacerto, então, termina
Com beijos de fome e de verdade

RM 


Enviar um comentário