Rewind

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

mãe,

acho que devias entrar no meu quarto sem eu saber, mãe
a sério, 
entrar no meu quarto e abrir uma gaveta por cada coisa que não te digo 
[e que devia.] 

senta-te na minha cama e enquanto, da janela, o dia te fita sereno
abre a gaveta que achares mais próxima do meu coração e espreita
anda lá, eu deixo, 

algures, pelo meio dos discos, dos livros - quase todos teus e com o teu cheiro - 
algures, pelo meio das t-shirts, dos bilhetes de cinema e das meias - há de estar o amor

sim, o amor: 

ou o número de vezes em que adormeci agarrado à promessa de ti no dia seguinte,
todas as cartas, os postais e as respostas que sempre tiveste para mim, mesmo antes que te soubesse perguntar coisa alguma, 
ou os passeios todos e o cheiro a infinito e a pele morena nas fotografias, o abraço do mar e da praia onde pudemos sempre demorar-nos um no outro sem ter pressa

juro que, às vezes, imagino que o amor se possa guardar em gavetas

porque amar talvez seja guardar na gaveta mais perto do coração aquilo que nos fez, nos faz e nos fará lembrar e tentar ser sempre o melhor de nós mesmos. 

e, sabes mãe, eu volto tantas vezes a essa gaveta - e repito os passeios, ouço do mar a voz rouca que me traz do teu nome a luz inteira ou, ouvindo o Zeca Afonso ou o Simon e o Garfunkel, volto a poder aninhar-me no teu colo, no chão de uma sala às escuras, a deixar-nos ser, na pele inteira, do tamanho da verdade que o conforto do silêncio nos deixa aos dois. 

volto à gaveta para escrever um bilhete desajeitado e trapalhão, 

desculpa, a sério, malandra, 
desculpa. 

ou somente para pensar em ti - e na luz de todo o perdão que me deste com os teus braços sempre doces, o teu sorriso como uma janela que se esqueceu aberta um verão inteiro e a tua saudade doce de quem espera, no banco de um jardim qualquer, que eu chegue - e isso chega-te. 

eu chego-te, o A. chega-te. 

mas, mãe, uma gaveta não chega para ti - eu sei. 

mesmo assim, quando não estiver, entra, senta-te e espreita, que eu deixo. 

sorri, de novo, como na fotografia na varanda atravessada pelo poente na praia, 
recebe, de novo, as flores que te dei e secaste e deixaste dentro dos livros
[sabes, mãe, elas cheirarão, para sempre, à minha gratidão.] 
  
entra no meu quarto, fica e demora-te no meu amor por ti, mãe
a sério. 

uma gaveta perto do coração não chega, eu sei.
mas o resto, mãe, anda comigo todos os dias 

acredita, 

eu serei a gaveta mais cheia de luz onde viverás sempre 
e onde se ouvirá repetida pelo mar a esperança eterna de um regresso. 

Obrigado.


RM| XX-I-MMXVII
Enviar um comentário