Rewind

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

ventre|

Teu corpo é jardim de maresia e de infinito
E teu peito é de todos os abrigos o maior
Teu ventre é praia doce e sem rumor
Onde vive e dura sempre o interdito

RM
Enviar um comentário