Rewind

sábado, 1 de fevereiro de 2014

depois de ti|

Desisto na tua pele de habitar o tempo 
E sou inteiro do sonho que me dizem os teus braços
Sou maior depois de em cada momento
Inventar contigo o céu no frio vazio dos espaços

Encontrei no teu peito uma sombra no deserto
E plantei flores na terra húmida do teu ser 
Senti na pele que o teu lume estava perto
Ao ver no horizonte a luz esmorecer

Inventei nas estrelas um destino
Que me levasse os lábios ao teu segredo
Quis que o amor fosse um grito repentino
Um improviso livre e sem enredo

Amei-te porque todos os silêncios foram nossos
E o mar dos meus olhos era a ti que procurava
Viver foi suave por entre os destroços
Porque o teu nome era o infinito que habitava

RM


Enviar um comentário