Rewind

terça-feira, 18 de março de 2014

aprendi a dançar|

aprendi a dançar nas ondas do teu corpo
pegaste-me nas mãos e elas foram
de repente, a noite não ia acabar nunca

depois das mãos, os meus olhos guardaram-te inteira
todo o mar precisa do seu fundo, bem o vês
de repente, a esperança no que vem nascia do teu nome

depois dos olhos, foi meu peito quem quis contar-te um segredo
toda a pergunta precisa de resposta, bem o sabes
de repente, a solidão era um intervalo na conjugação do teu ser

depois do peito, foram meus dedos que beberam de ti o perfume
toda a memória precisa de um cheiro para durar, bem o vês
de repente, o sonho era o ventre de todas as manhãs

depois dos dedos, foi meu coração quem descansou na melodia da tua voz
toda a alma precisa de um abrigo, bem o sabes
de repente, todos os regressos te traziam

aprendi a dançar nas ondas do teu corpo
pegaste-me nas mãos e elas foram

e elas foram
(tuas, devagar.)


Enviar um comentário