Rewind

quarta-feira, 19 de março de 2014

primavera|

a primavera durava  
trazias o vestido leve como as sombras que o vento arrasta
e a primavera podia durar ainda
a tua boca trazia o brilho de um fruto doce por trincar
e era ainda primavera nas flores do teu ventre arrepiado

o ar trazia o eco de uma promessa generosa
e eu quis cumpri-la inteira na estrada do teu corpo

o vestido rasgado pelas minhas mãos
a primavera a galopar furiosa no teu peito
a tua pele ardendo como se o sol se deitasse contigo

a tua boca matando na minha toda a ausência
e ser reencontro a facilidade dos beijos que vêm depois

a primavera durava
o vestido como um espelho vazio esperando teus olhos
o teu corpo a vestir o meu muito depressa

a primavera durava
e no céu descia a noite em silêncio

depois do lume que nos matou
chega brisa da noite para nos erguer
 
como se fosse primavera
e sempre fosse o tempo das flores que chegam com teus olhos

RM
Enviar um comentário