Rewind

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Avô,

Lembrar-te na tarde que se deita sobre a terra
E ouvir ao pó os passos que podiam ser os nossos
Lembrar na pedra dos muros a solidez dos abraços
E não haver na noite a sombra dos destroços

Lembrar-te na luz que brinca com o vento
E saber-te por perto por entre as vinhas
Lembrar-te a voz sorrindo um momento
No tempo das horas que são minhas

Lembrar-te por cima do tempo que não veio
E saber-te vivo nas vozes que te chamam
Lembrar na paz de um peito cheio
O nome das coisas que se amam

RM 




Enviar um comentário