Rewind

domingo, 24 de março de 2013

do amor.

Pois que talvez fosse isso mesmo o amor: um silêncio do princípio do mundo, uma suspensão do tempo e das horas, dos outros murmúrios que não o de uma surpresa que se dilata no ar, se agarra a tudo, se estende e brota jorrando da pele de tudo, de cada beijo, de cada palavra e gesto. O amor é uma expectativa que ocupa o silêncio, cresce e aumenta como uma onda na face do mundo, nas acções do Homem. O amor é uma promessa de eternidade em que se cala o mundo e começa, então, a falar o sonho.  
Enviar um comentário