Rewind

quinta-feira, 14 de março de 2013

luz|

Porque a luz desmaia em ti cheia de graça
Suave, subtil como que passa
Em flor descendo sobre a tez

E do colo da noite morna que finda
Tudo se expande, se cala e se emudece
E tudo parece ainda
Um doce sono que enternece

Corre-te o vento no cabelo
E nossos corpos ardendo se engrandecem
Os dedos que se tocam com desvelo
E as dúvidas inteiras esmorecem


Não há pudor naquilo que te faço
E tudo é uma ternura em brasa que aumenta
É uma partilha generosa e ciumenta
Uma rendição, um grito e um abraço.

RM





Enviar um comentário