Rewind

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Ao meu lado

Encontra-me também no escuro. Reconhece também desta vez o meu corpo. E adivinha-lhe a gargalhada funda e fácil. Vês como sou eu, ainda? Aí nesse bréu estou eu e o que é de mim. Procura-me a mão no véu viúvo da noite e agarra-a até que o dia nasça. E mesmo que o próximo dia não seja amanhã, nem depois, espera comigo a luz. Com a tua mão na minha. Todos os dias até ser dia.
Ama-me também no escuro. A luz está do outro lado. Mas tu estás deste comigo. Do meu lado. Seja ele qual for.
Enviar um comentário