Rewind

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

manhã|

Invento depois das sombras a areia do teu corpo
E em cada resto das horas relembro-te na minha boca
No lume alto da pele e do desejo consumindo a noite
És tu quem chega no abraço do horizonte que se abre

Da janela do desejo vejo ondas que trazem tua forma
E o céu tem o tamanho de uma saudade que se inventa
Depois de todas as palavras que juntos rejeitámos 
É enfim nosso o jardim enorme em que toda a terra é de silêncio

Trago ainda dos beijos um resto morno de eternidade
E demoro no caminho o corpo dormindo ainda contigo
É na manhã de sal que serena se anuncia devagar
Que tudo é uma promessa que se toca com os olhos

RM
Enviar um comentário