Rewind

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

a ti|

O suor é o orvalho do Inverno que ateaste
E os teus beijos são no céu um dia aberto
O desejo é um deserto de luz que devoraste
E a noite é um coração livre e desperto

Os beijos são gritos imensos de uma luta
E as promessas são feridas que saram ao poente
O rumor do teu cheiro chegando já se escuta
E tudo é um mar de vida de repente

Tua boca é do horizonte a liberdade
E tuas mãos são linhas fundas na areia
Teu cabelo é o luar dançando na cidade
E tua voz de sonho é o canto da sereia

Teu peito é como uma janela sobre a vida
E teu amor é canção que fala do que te dei
A saudade é uma carícia mil vez repetida
Como a verdade dos beijos que te deixei

Somos do mar o destino imortal
E da memória a eterna poesia
Somos mais do que tudo o que é real
Somos tudo por quanto eu morreria

RM

Enviar um comentário