Rewind

sábado, 21 de dezembro de 2013

jardim|

O teu peito é o lado de dentro de um jardim
Com água que desagua no sumo tenro do teus beijos
O teu peito é um silêncio de promessa que chama por mim
Com o mar agitado dos desejos

O teu corpo é enseada funda junto à praia
Com vento que empresta a graça aos teus cabelos
O teu corpo é um poente de aço que desmaia
Com braços que se enlaçam em desvelos

O teu ventre é planície de cal junto à cidade
Com muros tão altos como o céu de onde te vejo
O teu ventre é uma curva de sombra na claridade
Com lume ardendo na carne quente do meu beijo

RM
Enviar um comentário