Rewind

sexta-feira, 26 de abril de 2013

depois do perigo|

Depois do perigo há o amor
Vale fundo dos teus braços em que o silêncio dorme
E teu nome chega com a manhã

Depois do perigo há o amor
Maré furiosa dos teus beijos em que o sangue se evapora
E teu cheiro chega nas flores

Depois do perigo há o amor
Seara de fogo do teu peito em que o horizonte se agiganta
E tua boca chega com o vento

Depois do perigo há o amor
Praia roubada do teu corpo em que o nevoeiro sobe devagar
E teu sabor chega com a espuma

Depois do perigo há o amor
E tuas mãos são o vaso prometido  
Em que o orvalho da manhã irá dormir

Ventre infinito e doçura eterna
Caminho sereno em que chegas a sorrir

RM
Enviar um comentário