Rewind

segunda-feira, 22 de abril de 2013

teus dedos|

Chegaram teus dedos antes de ti
Com toque de fome e cheiro de saudade
Diziam dançando que era verdade
Enquanto minha boca sorri

Que era verdade que os beijos que trazias
Eram ondas de mar alto vivo e revoltoso
Eram carícias de lume que pedias
Num delírio intenso e amoroso

Curavas-me na pele a cicatriz da ausência
E teus dedos compridos repetiam
Firmes na carne e na cadência
Que era a mim que queriam

Dizem-me teus dedos que espere
Que não demora teu ventre como uma praia deserta
Mas nada mais há e tudo me fere
Na solidão da sombra da porta entreaberta

RM 
Enviar um comentário